O brasil que sacrifica vidas em troca de meias verdades

Por Ana Beatriz Rocha
17 de agosto de 2020

 

 

Não é sobre a vítima, nunca é. Numa terra de certezas genocidas, a minha é de que pouco se importam com corpos que são alvos. Sejam de balas perdidas, sejam de fome, sejam de violações corporais que roubam a dignidade de alguém que a vida mal começou.

Voltamos ao mesmo ponto discutido, exaustivamente, ano a ano. Aborto. O que muitos chamam de assassinato se pôs, na última semana, como possibilidade de vida para uma criança de 10 anos. Uma menina, que desde os 6 conhece as atrocidades validadas por um sistema patriarcal que invade sonhos, esquarteja perspectivas e as lança num mar de fundamentalismo. Essas águas são mansas para estupradores, e imperdoáveis para vítimas. Por mais que tentem as culpar, nossas meninas e mulheres são sempre vítimas.

No Brasil de 2020 vemos lógicas se invertendo. Cuidado com a saúde sendo confundido com comunismo, fatos sendo encobertos de fake news e desinformação sendo disfarçada de verdade. Vimos os cuidadores das florestas sendo enterrados por causa de invasores em busca de riquezas que, em breve, não serão de ninguém. Elas nem existirão. Vimos vidas escaparem de nós, pela letalidade viral e por disparos que atingem alvos que não tem a pele alva. Em ambos os casos, quem detém o poder de evitar tais perdas as acelera, por meio de canetadas que longe de irresponsabilidade, se põem como projeto autodestrutivo.

Brasil, o país onde vidas em exercício são descartadas, e embriões frutos de estupro são defendidos ferozmente. Brasil, tomado por almas miseráveis, território em que para onde olharmos as violências serão sempre contra as mesmas existências, os mesmos corpos que agonizam ao longo dos séculos para resistir. Não protejem nossas mulheres, não protejem nossas florestas, assassinam nossos povos originários e falam de patriotismo e soberania nacional. Brasil, ou como disse Emicida, brasil (porque respeito tem que ser merecido) quem há de te amar quando de ti só restarem os ratos e raptores?

Deixe seu comentário